expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Páginas

4 de set de 2014

Quando eu percebi que crescia....


Falei "eu quero estar perto de você" para a pessoa que eu mais queria ao meu lado. Escrevi cartas que não foram e não vão ser enviadas. Falei e discuti sobre política, menti minha idade para parecer mais velha, tive que trocar a pilha de livros por pilhas de planilhas, e aprendi na prática o que é diplomacia. Andei sem rumo, fiquei sem rumo. Chorei alto, e mudei de lado da cama, por que havia lágrimas demais. Percebi que sorvete e filmes não curam um coração partido. Não tive coragem de mudar o nome dele da agenda do meu celular. E teve dias que tudo que eu mais queria era um "oi". Aprendi que as pessoas não são tão poéticas, e as vezes elas nem gostam de poesia. A vida, nem sempre mostra o filme colorido, as vezes ele é sem graça e preto e branco. E devia ter cenas de filmes, com cenas da sua vida. As músicas fazem mais sentido pra mim agora, mais do que tudo, e que são verdadeiras trilhas sonoras da nossa história. 
Nem sempre dá pra ficar nas nuvens, alias nem mesmo observar as nuvens. Que as brigas amorosas são realmente chatas, e não há nada de "bonitinho" ter ciúmes de alguém. Aprendi que o amor é sagrado, e que certos abraços são quase o templo dele. Que as pessoas não são suas, que a liberdade é melhor que qualquer lugar bom, mas que é bom estar preso a pessoas boas... Não existe voltar atrás, nem mesmo o caminho de volta, isso é chamado de lembrança.... Nem sempre os sonhos se realizam, e as vezes a vida pode até seguir o seu roteiro, mas nem sempre é o que parece ser.


Gabriela B. de Souza
XVII